CONTRA O GOLPE E PELAS REFORMAS SOCIAIS

“Companheiros,

Como todos vocês sabem, o Partido Socialismo e Liberdade não é um partido da base do governo. É um partido a oposição. Mas uma oposição democrática. Somos oposição por diferenças políticas e programáticas. Não somos oposição para dar golpe nas instituições ou para tomar o poder num golpe de mão.

O Partido Socialismo e Liberdade entende que o Brasil precisa de cinco grandes reformas.

1) Avançar com a reforma agrária para democratizar a propriedade do campo.

2) Enfrentar o capital financeiro, para deixemos de ser o país recordista de taxas de juros no mundo.

3) Fazer uma reforma política que crie canais democráticos de participação popular.

4) Democratizar os meios de comunicação, porque o direito democrático à informação é inalienável numa democracia. Ele pressupõe pluralidade e não monopólios privados controlando a informação.

5) Precisamos de uma reforma tributária que faça com quem tem mais patrimônio e renda pague progressivamente mais imposto. E não os trabalhadores através de impostos indiretos.

Foi por esse programa que nos mantivemos na oposição aos governos Lula e Dilma. Mas é também por este programa que rejeitamos o golpe de Michel Temer. Porque o golpe de Michel Temer, com sua “Ponte para o futuro”, que mais parece um trem bala rumo ao passado, é não apenas a negação desse programa, mas uma ameaça concreta aos direitos da consolidação do trabalho, da CLT. É ameaça concreta aos direitos previdenciários. É ameaça concreta ao que persiste de Estado brasileiro. É a ameaça de desconstrução de tudo aquilo que Fernando Henrique não teve força para desconstruir nos anos 90.

As nossas diferenças vão continuar existindo. Mas até o dia 17. Até domingo dia 17, no Brasil, só há dois lados: os que estão com o golpe e os que estão contra o golpe. No dia 17 em Brasília, Chico Alencar, Glauber Braga, Jean Wyllys, Ivan Valente, Luiza Erundina e Edmilson Rodrigues, deputados do Psol, estarão lá votando contra o golpe de estado, pela democracia.”

Fala no ato Cultura pela Democracia, realizado em 11 de abril, na Lapa (Rio de Janeiro).