FRENTE AMPLA CONTRA BOLSONARO, FRENTE DE ESQUERDA CONTRA O BOLSONARISMO

O governo Bolsonaro precisa acabar. É uma ameaça existencial a milhões de brasileiros. As razões dessa premência dispensam maiores explicações para os leitores eventuais deste texto. Seja pelo impeachment, seja pela derrubada da chapa pelos notórios crimes eleitorais , essa tarefa é central na conjuntura. Sem um amplo apoio social e sem um amplo arco de alianças não se consegue fazer isso. Por isso a necessidade de fazer a mais ampla frente, da esquerda á direita e até aos que recentemente romperam com Bolsonaro .Cabem todos nesta frente.
Essa frente é de pauta única. Ela não tem um programa que a unifique nem tem como ter. É frente com inimigos de classe em torno de um único objetivo: derrubar Bolsonaro. Cumprida essa tarefa , o Bolsonarismo continuará existindo como corrente relevante na politica brasileira porque tem lastro em parcela da sociedade. Alguns dos aliados necessários a derrubar Bolsonaro não têm qualquer interesse em derrotar o Bolsonarismo como corrente politica , seja porque partilham de alguns valores em comum, seja porque a existência de uma corrente fascista no Brasil ajuda a naturalizar como “aceitáveis” alternativas políticas conservadoras portadoras de projetos anti populares que se apresentarão em 2022 com candidaturas do perfil de Moro, Hulk ou Doria.
Por essa razão a tarefa de derrotar o Bolsonarismo como corrente de opinião é tarefa da esquerda. Não será um debate académico, nem apenas um debate direto de valores , mas uma disputa de base social. Retirar o lastro social do Bolsonarismo passa por construir um programa capaz de dialogar com a legião de derrotados da Globalização, e da Revolução Tecnológica. Os precarizados, uberizados, terceirizados, os trabalhadores sem direitos, os pequenos empreendedores, todos aqueles que foram de alguma forma empurrados para a sobrevivência por conta própria com os quais a esquerda e seus aparatos têm poucos vínculos orgânicos. Milhões de trabalhadores que não vêm no Estado um espaço de acolhimento ou de garantias, e que por isso são facilmente polarizados pelo discurso anti estado e anti sistema da extrema direita. Sem travar essa disputa e sem a vencer, o Bolsonarismo continuará como espantalho a ser brandido pela direita tradicional para viabilizar frentes amplas , obviamente sob sua hegemonia, polarizando parte das bases da esquerda .
Por isso é absolutamente necessário que a esquerda opere a Frente Ampla para derrubar Bolsonaro enquanto constrói a Frente de Esquerda para derrotar o Bolsonarismo. É questão de sobrevivência .Fazer a segunda sem a primeira não viabiliza derrubar o presidente. Fazer a primeira sem a segunda implica na subordinação da esquerda aos projetos da direita liberal.