“IMPEACHMENT DE CRIVELLA” ,QUEIMA DE ARQUIVO OU APENAS UMA NEGOCIATA?

Semana passada a câmara de vereadores do Rio tentou, e por 1 voto não conseguiu, mudar a lei orgânica para transformar em indireta a eleição de prefeito em caso de afastamento. Essa manobra consolidaria a derrubada do desastroso prefeito Crivella e sua substituição por um vereador , provavelmente da bancada do MDB. Ontem , desta vez com apoio da esquerda, PSOL e PT , a câmara abriu processo de impeachment com 36 votos dos 34 necessários.

Para quem não aguenta mais o desgoverno de Crivella a noticia parece ser boa. Parece, mas não é. A comissão constituída para analisar o processo tem 90 dias para levar o seu parecer ao plenário que ai votará se confirma o impeachment ou não. Alguns desavisados podem achar que serão 90 dias de analise do fato causador do pedido de impeachment. Na verdade serão 90 dias para Crivella conseguir cooptar 2 vereadores impedindo dessa forma a maioria qualificada para sua derrubada ou para o MDB conseguir o voto que lhe faltou para mudar a lei orgânica e estabelecer a eleição indireta.

Em qualquer hipótese nós perdemos no final. Derrubado Crivella, a direita terá ano e meio para se recompor e chegar as eleições de 2020 com competitividade, sem precisar arrastar o cadáver desta administração pelas calçadas. Para os de boa memoria, o governo Itamar foi essencial para a vitória de FHC em 1994. Essa é a hipótese “queima de arquivo”. De quebra Crivella sai de vitima, com o discurso pronto de que o impediram de “cuidar das pessoas”. Colará para alguns, particularmente para o eleitorado evangélico. Por favor, assistam a cobertura da TV Record.

Essa possibilidade porem medirá forças com a outra que é Crivella aceitar os pleitos de parte da câmara e partilhar mais o seu governo com os nobres edis. Façam suas apostas. Nessa hipótese Crivella fica e chega a 2020 acusando a esquerda de ter participado de uma tentativa de golpe contra a sua administração.

Mas o mais grave é a fragilização dos mandatos eletivos. Com a democracia em risco desde 2016 cresce o avanço do judiciário sobre o legislativos e executivos , e dos legislativos sobre os executivos. Recentemente o prefeito de Niterói foi preso preventivamente e afastado de suas funções por decisão monocrática de juiz de 1ª instancia. Prisões preventivas também foram alegadas para tentar impedir a posse de deputados eleitos em 2018, manobra corretamente abortada pela mesa diretoria da ALERJ . Aqui não vai nenhuma defesa dos ditos deputados que não são suspeitos de honestidade mas a defesa do voto popular que não pode ser anulado por decisões do judiciário não transitadas em julgado.

Reforçar precedentes de cassação de mandatos eleitos pelos legislativos tornará mais frágeis os governos de esquerda. Frequentemente com minoria nos respectivos legislativos passarão a viver sob crescente cerco . Cassado Crivella , o próximo prefeito do Rio principalmente se for de esquerda, será vitima de vários pedidos de impeachment protocolados por quaisqueres tecnicalidades e assoprados por vereadores que não se sintam contemplados com seu naco de poder no governo. Para além disso , se pelo menos as razões alegadas para a derrubada de Dilma eram de conhecimento publico embora absurdas e de difícil compreensão, as razões para a derrubada de Crivella são absolutamente desconhecidas pelo eleitor que desta forma será mais facilmente convencido que foi golpe. Novamente recomendo que assistam a cobertura da TV Record.

Desta forma a decisão das bancadas do PSOL e do PT de aprovar a abertura de processo de impeachment foi um erro grave.

Erros graves são aqueles que tem consequências.