SOBRE O DEBATE ENTRE FREIXO E CRIVELLA NA BAND

Acho que Freixo foi bem no debate, mostrou mais consistência programática que Crivella. No entanto, tem alguns problemas.

A frase síntese de Crivella é “vou governar para as pessoas”. A frase síntese de Freixo é “vou governar com as pessoas”. Aqui, Freixo demostra correta preocupação com as aspirações de democracia inclusiva, agenda da modernidade num mundo onde a democracia representativa vive uma enorme crise. No entanto, essa demanda é restrita à “tribo” que já vota ou tende a votar em Freixo. Para a outra “tribo”, onde Crivella prospera, democracia é escolher a cada 4 anos aquele que na administração de parcela do estado vai “fazer por nós”. Um dos problemas desta eleição é que esta segunda tribo é maior que a primeira.

Embora seja correto manter a proposta de ampliar a democracia para além dos momentos eleitorais, não será em 20 dias que esse conceito se tornará hegemônico. Logo, é preciso falar a linguagem capaz de chegar à parcela que espera que o prefeito faça , realize, resolva. Como diz Crivella, que “cuide das pessoas”.

Logo na primeira pergunta sobre qual seria a primeira iniciativa ao tomar posse, Crivella foi direto: “vou resolver a fila das cirurgias na área da saúde”. Freixo disse que iria reunir com os profissionais de educação para discutir com eles como seria a nova escola, inclusiva, capaz de formar cidadãos, com autonomia pedagógica, inserida na comunidade. Ambos falaram para tribos diferentes. O problema é que a tribo do Crivella tem mais índios.

Sem falar para esta parcela do eleitorado , não dá para vencer a eleição.