Arquivo da tag: Desenvolvimento

A EXPORTAÇÃO DA AUSTERIDADE, NOVA FACE DO IMPERIALISMO

Enquanto os países centrais aumentam suas dívidas públicas para enfrentar a crise, os organismos multilaterais por eles controlados recomendam para os países periféricos políticas de feroz ajuste fiscal. Os EUA desde a crise de 2008 viram sua dívida pública subir de 73% do PIB para 105% . Os Estados Unidos financiam sistematicamente seus gastos com expansão monetária e aumento de dívida. Como sua moeda é reserva internacional de valor, o impacto inflacionário dessa expansão é minimizado. Como sua moeda é meio de troca internacional, os decorrentes déficits comerciais se tornam irrelevantes.

Essa talvez seja a principal característica do imperialismo no atual período de financeirização global. Há décadas que os EUA têm enormes déficits comerciais com o restante do planeta, financiados com moeda por eles mesmos emitida. É uma especie de cheque especial da conta corrente do proprietário do banco.

Para os países da periferia, a adoção de políticas expansionistas que aumentem seus déficits esbarra em limites mais estreitos, conforme o seu grau de abertura financeira e comercial com o restante do planeta. Uma política de expansão fiscal isolada em um pais com moeda própria, mas que não seja tida como reserva de valor internacional, resulta no vazamento para o exterior de parte do impulso econômico resultante, com a provável deterioração do seu balanço de pagamentos, esse denominado em dólares. Quanto maior a sua abertura comercial, maior será esse vazamento. A crescente globalização da produção industrial, com a internacionalização das cadeias produtivas, reduz a autonomia da política fiscal das autoridades nacionais.

A combinação de políticas de abertura comercial indiscriminada e da abertura financeira dos países da periferia resultou concretamente em perda de autonomia na sua tomada de decisões na área fiscal. As políticas de ajuste fiscal, normalmente associadas a campanhas de criminalização da dívida pública, condenam estes países a um crescimento econômico letárgico e baseado na desvalorização do custo do trabalho, verdadeiro objetivo dos ajustes fiscais. Condenados a serem países produtores de produtos primários ou semi elaborados, a redução do custo unitário do trabalho permite deteriorar as relações de troca com os países centrais.

Parte da esquerda ainda não entendeu isso e continua se deixando terceirizar pelo discurso de criminalização das dívidas públicas e, portanto, jogando água no moinho das políticas de ajuste fiscal.

A adoção de uma política econômica capaz de romper esse círculo vicioso, passa por concertar políticas fiscais entre países da periferia. No caso do Brasil, seria da maior importância concertar políticas industriais, comerciais e fiscais com seus vizinhos próximos.

Nunca antes na história a politica econômica dependeu tanto de uma política externa ativa e da vitória das forças populares em toda a America Latina, possibilitando a concertação de políticas econômicas em comum.

A VITÓRIA DE LOPEZ OBRADOR NO MÉXICO E O KEYNESIANISMO

Vi hoje nas redes sociais comentários críticos a Lopez Obrador dizendo que não era para a esquerda ter grandes esperanças porque ele iria fazer um governo keynesiano. Não sei a partir de qual momento parte da esquerda passou a achar insultante a defesa de posições keynesianas na gestão de economias capitalistas. Historicamente, quem se contrapõe às politicas keynesianas são os liberais, que têm verdadeira urticária com o papel ativo do estado, com políticas fiscais expansionistas e seus decorrentes déficits públicos, com a busca do pleno emprego. Não vi nenhuma explicação sobre o que seria em oposição um programa marxista de gestão de uma economia capitalista sem perspectiva de curto (e médio) prazo de transição ao socialismo. Michael Kalecki, economista marxista polonês, compartilha dos mesmos pressupostos de Keynes sobre a busca do pleno emprego, embora, obviamente, o faça por razões políticas distintas.

Qualquer governo de esquerda que vença eleições na América Latina tem no instrumental teórico keynesiano o caminho para uma política que altere a correlação de forças entre capital e trabalho e busque a partir daí produzir reformas substantivas. Por outro lado, entendo perfeitamente quem imagina que uma vitória eleitoral coloca em perspectiva a transição rápida ao socialismo , tornando desnecessárias essas preocupações “menores”, vá se decepcionar com Obrador e com qualquer candidato que vença pela esquerda as eleições na América Latina neste período político.

Esclarecido que não se trata nem no México, nem porventura no Brasil com a vitória em outubro da esquerda, de se iniciar uma transição ao socialismo, os problemas “menores” estarão sobre a mesa. E aí minha avaliação sobre o México é pessimista também. Com 40% do PIB ligado ao comercio exterior, com reduzida diversificação de seu parque industrial, uma politica keynesiana clássica de expansão fiscal, tem serias limitações. Parte desse “esforço “ fiscal vazaria para o exterior, reduzindo o efeito multiplicador interno, reduzindo o retorno fiscal decorrente e pressionando o balanço de pagamentos. Mesmo partindo de uma situação fiscal mais folgada que o Brasil, com uma relação divida PIB mais baixa e com superávit fiscal primário, as limitações externas são consideravelmente maiores que no Brasil. Vale acrescentar que 80% das exportações mexicanas têm como destino os Estados Unidos, o que aumenta a vulnerabilidade mexicana a retaliações e pressões politicas externas

O maior problema do governo Obrador é que mesmo uma política keynesiana na situação do México terá dificuldades de se viabilizar de forma plena, embora nos limites do possível deva ser tentada. E a minha dúvida é se e até onde ele tentará.

Como disse Porfírio Diaz , líder da Revolução Mexicana que derrubou o Imperador Maximiliano na década de 60 do século 19: “Pobre México: tão longe de Deus e tão perto dos Estados Unidos”.

DA VILA EUCLIDES À GREVE DOS CAMINHONEIROS

A greve dos caminhoneiros, hoje no seu sexto dia, abriu forte debate na esquerda. Greve ou locaute? Afinal, autônomos, pequenos e grandes empresários tinham uma mesma pauta, resultado de uma política de preços insana da administração da Petrobrás.

O ajuste quase que diário dos preços nas refinarias de um insumo estratégico para a economia resultou em 12 aumentos só no mês de maio. Pressionados pela redução da demanda por fretes em função da devastadora recessão, uma categoria já em crise e com acentuada queda de renda, sofre os reajustes quase diários porque o câmbio subiu, porque o petróleo subiu, porque, afinal, os acionistas da Petrobrás precisam maximizar seus lucros.

A justeza da pauta, que se choca frontalmente com a agenda neoliberal, já é razão bastante para que a esquerda não titubeasse no seu apoio à greve. Mesmo que fosse o caso, que não é, dos empresários do setor serem os grandes beneficiados de uma eventual derrota do governo. Se empresários se contrapõem à gestão privatista da Petrobrás e sua política de preços, ótimo.

Acontece que a categoria dos caminhoneiros historicamente é hegemonizada ideologicamente pelo conservadorismo. A própria natureza da atividade, descentralizada, individual, em que a renda de cada um depende de seu desempenho pessoal, não estimula lutas coletivas, nem a formação de espaços coletivos de debate, o que torna o terreno mais difícil para a esquerda. Por outro lado, a crise precarizou enormemente a categoria e a levou à confrontação com a agenda liberal do governo.

A extrema direita percebeu o potencial político do movimento e trabalhou organizadamente para colar a sua agenda nesta luta. Faixas produzidas de forma industrial com as palavras de ordem do fascismo não caíram do céu nem apareceram espontaneamente nos bloqueios. A esquerda demorou a reagir, mas acertadamente acabou por tomar o lado certo no apoio à greve. Se não disputarmos, deixaremos o terreno livre para a extrema direita que, como todo o movimento de características fascistas, se tornou no Brasil um movimento de massas, muito organizado e com real capacidade de mobilização.

A crescente desindustrialização do Brasil e o processo de reestruturação produtiva reduziram enormemente o peso do operariado e de categorias organizadas onde tradicionalmente a esquerda tem força. Significativo notar que as 3 principais mobilizações grevistas ocorridas nesta década no Rio de Janeiro, que tiveram forte impacto na sociedade e que ganharam adesão popular, tenham sido a dos bombeiros em 2011, as dos garis em 2014 e agora a dos caminhoneiros. Luta social dos até então desorganizados e do precariado. As intermináveis greves de professores não logram nem repercussão nem maior solidariedade. Esses, por duros que sejam, são os fatos.

Não teremos mais Vila Euclides e a histórica greve dos metalúrgicos do ABC. Hoje, quem move a historia é o bloqueio no trevo de Manilha. E lá a disputa é com a extrema direita também anti liberal. Esse cenário chegou para ficar. Quem na esquerda não estiver preparado para disputar política de massas com o Bolsonarismo nas ruas, sugiro preparar passaporte e emigrar talvez para a Groenlândia. Ou assumir seu papel de comentarista da luta de classes.

Em 2011, os bombeiros mobilizaram todo o estado na sua luta contra Cabral. Eles fazem parte de uma corporação militarizada. São, na sua maioria, evangélicos e ideologicamente hegemonizados pela extrema direita e suas pautas. Mas foi importante a esquerda ter apoiado a sua luta em 2011. Hoje há uma liderança de esquerda na corporação , a ABMERJ, sempre presente e solidária nas lutas sindicais de outras categorias e que cumpre um importante papel. Toda a liderança do movimento dos garis de 2014 está na esquerda.

E agora? Vamos deixar o fascismo representar os caminhoneiros sem disputa?