Arquivo da tag: Psol

SOBRE O “‘TERRIVELMENTE PSOLISTA” E OS “FEIOS, SUJOS E MALVADOS”

Marcelo Freixo saiu do PSOL para disputar o governo do estado pelo PSB. As razões alegadas são as diferenças sobre politica de alianças. Embora a direção estadual do PSOL já tenha afirmado a sua disposição de abrir uma mesa de dialogo com os partidos da esquerda e centro-esquerda , Marcelo quer ir mais além e trazer para essa aliança partidos da direita liberal ( aquela que a grande mídia apelida de centro) e isso certamente não passaria no PSOL .
Freixo avalia que para vencer as eleições no Estado do Rio é necessário ampliar a aliança para esses setores. Vejo alguns problemas nessa avaliação. Sempre que se fala disso surgem os nomes de Rodrigo Maia e de Eduardo Paes como interlocutores. Visto assim, eles até parecem ser a direita limpinha e cheirosinha , mas quando se olha para o Estado, interior e baixada, e se vê qual foi a base de apoio de Eduardo Paes na disputa do governo em 2018, surgem os feios, sujos e malvados.
Falar em aliança com setores da direita liberal significará negociar com vários clãs e oligarquias da baixada e interior ou então não terá eficácia. Estamos falando de Cozzolinos, ou da família “do Posto” em Magé e Guapimirim, estamos falando de Washington Reis ou da família Zito em Caxias, estamos falando em Celso Jacob e Vinicius Farah em Três Rios, estamos falando em escolher uma das oligarquias de Campos.
Marcelo está preparado para isso? vai conversar sobre o Detran com Vinicius Farah? tenho muita confiança no Marcelo Freixo, quadro sério, corajoso e que vem literalmente travando uma batalha de vida e morte com as milícias desde 2008. E acho que esse acordo com parcelas da direita liberal não tem como prosperar salvo alguns acertos pontuais. Marcelo não fala o mesmo idioma que esse pessoal.
A segunda razão da saída de Freixo do PSOL é a necessidade de se desvencilhar da imagem de “terrivelmente Psolista” que dificultaria seu dialogo seja com os atores politicos mais conservadores, seja com a parcela do eleitorado que rejeita o PSOL pelo seu protagonismo na polarização politica no nosso estado. Aqui no Rio o anti-psolismo conservador é mais intenso que o antipetismo, porque o PSOL é o maior partido da esquerda.
Os primeiros movimentos Marcelo já os fez. Segundo se noticiou, o marqueteiro Renato Pereira, que fez as campanhas de Cabral, Pezão , Eduardo Paes e Pedro Paulo, além de ser o idealizador do Pato da Fiesp, teria sido contratado. Certamente não é o único marqueteiro qualificado nem Freixo o achou pelos classificados. Foi escolha politica e simbólica. Chamar Raul Jungman para elaborar o programa de segurança também faz parte desse reposicionamento de imagem. Sai o “Se a Cidade Fosse Nossa” de 2012 e 2016 e entram “técnicos” palatáveis ao establishment politico e confiáveis a parcelas das classes medias conservadoras. A reação estridente de parte minoritária do PSOL , ontem, por tuites e notas, criticando duramente essas iniciativas eram o objetivo da ação, concluída com sucesso.
Marcelo Freixo faz uma inflexão politica pensada , calculada, e com o objetivo absolutamente nobre de tentar derrotar o Bolsonarismo no seu berço e consequentemente enfrentar as milícias tendo o aparelho de estado do seu lado.
Não creio que tenha chance de sucesso no sentido de viabilizar uma aliança ampla, embora certamente vá conseguir agregar alguma coisa. Mas também perde. A politica tem se movido pelos polos e não apenas no Brasil. Não concordo com a sua escolha, e ela de fato não seria possível no PSOL onde teria mínimo ou quase nenhum apoio.
Teremos uma eleição presidencial simultânea onde derrotar o Bolsonarismo e a agenda liberal são imperativos para a esquerda. O Bolsonarismo é a forma truculenta de passar uma agenda de contrarreformas e de destruição de direitos de tal forma cruel que pelos mecanismos tradicionais não prosperaria.
Mas se não concordo com as movimentações táticas de Marcelo Freixo, reconheço que nenhuma politica alternativa tem qualquer chance de ser sequer levada em consideração pela base social da esquerda se tentar se construir contra a candidatura dele. Tentar fazer isso, é caminhar para o gueto e a desmoralização.
Vivemos tempos difíceis onde todas as escolhas são turvas para quem faz politica para além da reafirmação de princípios.

FRENTE DE ESQUERDA EM 2022 É TAREFA PARA JÁ

As eleições de 2022 ocorrerão num cenário muito distinto de tudo que já conhecemos. Derrotar Bolsonaro e a agenda neo liberal é um imperativo para a esquerda. Nenhum partido da esquerda isoladamente tem força para o fazer.
Não discuto aqui apenas a eleição presidencial mas também a eleição dos principais estados . Não nos basta levar um candidato ao 2 turno se esse candidato não tiver nos principais estados representação no segundo turno a governador. Em 2018 Haddad disputou o 2 turno sem ter candidato que o defendesse em S.Paulo, no Rio, em Minas e no Rio Grande do Sul onde os segundos turnos foram disputados por candidatos bolsonaristas raiz contra candidatos que flertavam com o Bolsonarismo.
Uma aliança nacional tem que se reproduzir no minimo nos principais estados . Dadas as movimentações de Ciro Gomes tentando viabilizar sua candidatura em aliança com setores da direita liberal o campo político possível é o que engloba o PT, PSOL e PC do B , dentre os partidos com representação parlamentar .
Os nomes destes partidos são auto evidentes. Haddad, Boulos , Manoela e Flávio Dino. Não considero neste momento Lula porque continua inelegível. Construir um programa mínimo em comum que interrompa e reverta o desmonte do Estado e dos direitos sociais, é a tarefa imediata .
Mas definir um nome para representar esse programa também é urgente. O regime é presidencialista e a política detesta espaços vazios. Um nome que seja desde já o porta voz da defesa do auxílio emergencial, da vacina para todos e do conjunto de enfrentamentos ao governo Bolsonaro.
Não se faz frentes sem escolhas doloridas. O PT é o maior partido da esquerda e não se vence eleição sem ele. Mas sem uma frente o PT também não vence. A escolha dos candidatos, presidência e governadores, deve ser pactuada . Tendencialmente o maior partido deve indicar o cabeça de chapa presidencial mas esta não pode ser uma imposição. Sem imposições mas também sem vetos.
A esquerda tem a obrigação de apresentar em 2022 uma esperança de futuro. Não será a eleição entre o presente e um passado mitico. Será a escolha entre uma nova esperança de radicalização democrática e redução da desigualdade contra o Bolsonarismo e agenda regressiva.
Estabelecer uma mesa de conversações, construir um programa e definir os nomes que irão protagonizar esta disputa.
Esta tarefa é para aqui e agora

PORQUE A CERTIDÃO DE OBITO DA ESQUERDA É FALSA

Estas eleições de 2020 continuam sendo disputadas. Agora em pleno 3º turno confrontam-se as narrativas. Para a Rede Globo a esquerda perdeu as eleições. Aliás já tinha perdido em 15 de novembro porque perdeu a prefeitura de Piraporinha do Brejo e não reelegeu 2 vereadores em Nossa Sra. do Rio Abaixo. A decorrência desta narrativa na versão Globo é que estamos para 2022 entre a direita (apelidada de centro) e o Bolsonarismo.
Esta narrativa encontra eco em parte da esquerda que sustenta que agora ficou claro que sem uma aliança com o centro a esquerda não vence. Na ânsia de disputar os despojos da batalha, setores do campo progressista vêm se dedicando a fazer as exéquias fúnebres dos outros setores conquanto seguem proclamando a boa saúde e a perspectiva de longevidade de suas próprias hostes. Vamos aos números, esses seres antipáticos e desagradáveis para o vicejamento das teses de conveniência.
Divido o campo progressista em esquerda composta pelo PT, PSOL e Pc do B ( não inclui partidos sem representação parlamentar) e centro esquerda, PSB, PDT e Rede. Do ponto de vista da disputa ideológica me concentro nas grandes e medias cidades onde a eleição é menos fulanizada. Em 2016 a esquerda disputou 12 eleições no segundo turno e perdeu as 12. Agora disputou 18 e venceu 5. Mas mesmo onde perdeu o salto de qualidade é visível. Começando por S.Paulo onde em 2016 Doria venceu no 1º turno, ter um líder de movimento sem teto no segundo turno com 41% dos votos e vencendo na periferia, não é resultado de pouca monta. Vencendo segundo todas as pesquisas no eleitorado mais jovem.
Manoela D’Avila teve 46% dos votos em Porto Alegre onde a ultima vitória da esquerda foi em 2000.Parte do eleitorado nem nascido era. Disputar o segundo turno em Caxias do Sul na serra gaúcha, bastião do conservadorismo também não foi resultado de pouca monta. Retomar Diadema e ter candidatura competitiva em Guarulhos, também é resultado positivo, mesmo perdendo. Vencer na principal capital do norte com Edmilson em Belem também mostra que as coisas se movem. Em Minas, vencer em Juiz de Fora e Contagem onde Bolsonaro venceu em 2018 também é muito relevante. Balanço eleitoral não pode ser feito com as expectativas da véspera das eleições no calor da campanha , mas com os resultados de eleições anteriores.
Resultados eleitorais não são essencialmente fruto de campanhas bem conduzidas mas o resultado de uma disputa politica e ideológica na base da sociedade. A derrota , ou melhor dizendo, a capitulação em travar essa disputa em nome da “governabilidade “ durante os 13 anos de governos do PT construíram as bases para a reação conservadora a partir de 2016. O que se vê agora a partir desta eleição é que a retomada da disputa de valores na base da sociedade em particular nos grandes centros e nas regiões sul e sudeste começa a apresenta resultados. Já no 1º turno, mulheres, negros, ativistas LGBT conseguiram resultados eleitorais expressivos, mesmo em lugares mais conservadores. Candidaturas coletivas em boa parte com origem em movimentos sociais da periferia também mostram isso.
Se levarmos em conta que Bolsonaro venceu com folga em todos os grandes centros da região sul e sudeste, o resultado desta eleição está longe de ser uma derrota. Do ponto de vista da esquerda esta eleição mostra uma recuperação. Ainda insuficiente para produzir vitorias eleitorais mais expressivas. Agrego outro numero importante. PT e PSOL que somados fizeram em 2016 , 35 vereadores nas capitais do Sul e Sudeste , fizeram agora 45. O PSOL cresce relativamente de forma muito significativa passando de 16 para 23 vereadores e o PT passa de 19 para 22. O PSOL passa nesta eleição a disputar protagonismo na esquerda com o PT. Mostra que tem mais expressão entre a juventude e nos novos movimentos sociais ascendentes.
O PT enfrenta problemas de renovação. Mesmo recuperando peso, mostra envelhecimento e dependência de quadros mais experientes e dificuldades de conexão com o eleitorado jovem. No entanto é na esquerda o partido que ainda tem mais capilaridade nacional e que segue imprescindível.
O fracasso do PDT no Rio e do PSB em S.Paulo e no Rio com candidaturas em tons cinza que buscaram dialogar com o conservadorismo e apostar na despolarização mostra que sem formar uma base solida e militante não se viabilizam alternativas. Fracassaram na majoritária e elegeram bancadas pífias de vereadores.
Bolsonaro é o grande derrotado como se esperava mas o Bolsonarismo está vivo em parcelas expressivas da sociedade e sempre será a reserva estratégica da burguesia.. As derrotas em S.Gonçalo e Vitoria e as vitorias mais apertadas que o previsto em Belem e Fortaleza deixam isso claro.
A narrativa da direita ( centro na terminologia do manual de redação da Globo) a partir desta eleição é que só ela pode vencer Bolsonaro. Para isso precisa organizar o funeral da esquerda no geral e do PT no particular. Conta com as carpideiras da Cirolândia para legitimar a narrativa.
É tarefa dos partidos da esquerda, levantar a cabeça , contabilizar os avanços e as insuficiências e retomar a disputa de valores na base da sociedade. O combate aos oportunistas da Fé, a defesa da solidariedade contra o individualismo, dos diretos sociais e civis, sem concessões nem meias tintas.