Arquivo da tag: PT

A SUPERAÇÃO DO LULISMO E O ELIXIR DA LONGA VIDA

Desde 1989 com as primeiras eleições presidenciais pós-ditadura, que o sistema politico brasileiro se organiza em torno da polarização entre Lula e uma alternativa à direita. De 1994 para cá, o PSDB ocupou este lugar. Lula vence em 2002 liderando um amplo movimento na sociedade, gestado desde os anos 80, que veio a ser chamado de Lulismo. Com a derrubada de Dilma Roussef e o desgaste dos 13 anos de reformismo fraco dos governos petistas, se reacende na esquerda o debate sobre a superação do Lulismo.
Lula não é uma liderança de esquerda, ele próprio não se reivindica assim, mas o Lulismo é um fenômeno social de esquerda.  A sua superação não se dará com bravatas nem em um momento mágico, catalizador e definitivo. Não bastará a apresentação de uma candidatura presidencial estreita, com um programa demarcatório e um discurso sectário para que o Lulismo possa ser superado. Enquanto fenômeno social representativo das classes trabalhadoras, o Lulismo não é fenômeno único na história brasileira. O Getulismo/Trabalhismo ocupou este espaço por décadas, assim como o seu sucedâneo , o Brizolismo, até o início dos anos 90, embora com peso mais localizado nos estados do sul e no Rio de Janeiro.
Fenômenos desta natureza não se superam sem a conformação de alternativas com peso de massa e viabilidade na disputa de poder. A construção de uma alternativa de esquerda ao Lulismo não é tarefa simples, nem de viabilização imediata. Não há atalhos. Só com a aglutinação crescente de parcelas expressivas da intelectualidade, da academia, das classes médias progressistas, das vanguardas dos movimentos sociais, sindicais, sem terra, sem teto, mulheres, LGBT, povos indígenas e quilombolas, da esquerda católica, da consolidação de um núcleo de esquerda dentro do movimento evangélico, se terá a massa critica necessária a viabilizar uma alternativa.
Boa parte destas lideranças compartilham da mesma critica que fazemos à experiência dos 13 anos de Lulismo no poder. Seja pelas limitações programáticas, a escolha de não usar os espaços de poder para organizar o conflito de classes optando pela composição de interesses sem disputa, seja o modelo de governabilidade que primou por deixar intocadas as estruturas oligárquicas e se compor com elas, inclusive nos métodos de subordinação do Estado aos interesses privados. A critica às escolhas do Lulismo são amplas, mesmo na base social que ainda está sob sua hegemonia.
Sem deslocar parcelas significativas destes setores para outro projeto, não se supera o Lulismo como principal força referencial da esquerda. E isto só ocorrerá quando um novo projeto demonstrar capacidade de influir na disputa política real e perspectiva de se constituir em alternativa de poder. Neste sentido, mais do que a pressa em definir um candidato presidencial, é necessário construir um processo que tenha capacidade real de aglutinar força e de incidir sobre a base social e de ativistas do Lulismo.
Não existem atalhos, não há soluções maximalistas, e a possibilidade de não ter resultados expressivos a curto prazo é real. No século 19 prosperaram farmacêuticos ambulantes que vendiam o Elixir da Longa Vida. Não consta que alguém tenha vivido uma semana a mais pelo consumo dessas gororobas. Hoje existem os que apontam a possibilidade da Revolução Brasileira para daqui a pouco.
É propaganda enganosa.

SOBRE BICICLETAS E AVIÕES

Em 2016, uma ciclista passava pela Avenida Atlântica trajando uma camiseta vermelha quando foi parada por manifestantes de verde e amarelo que a hostilizaram, insultaram e ameaçaram, de tal forma que teve que sair dali escoltada pela polícia. Ela ousou vestir uma camiseta vermelha, logo era “petista/comunista corrupta quadrilheira, agente do Foro de S.Paulo” e, portanto, alguém que deveria ser desprovida do direito de passear tranquilamente de bicicleta trajando a roupa da cor que quisesse.

Domingo, dia 3, Miriam Leitão, jornalista da Globo, pegou um avião e foi hostilizada por outros passageiros com palavras e empurrões na sua cadeira. Segundo a versão dela e de alguns passageiros, ou apenas com palavras dirigidas à Globo (onde trabalha), segundo versão de outros passageiros. Nas redes sociais, muita gente defende essa ação porque afinal ela é “golpista, mentirosa, apoiadora de um governo ilegítimo que quer cortar direitos do povo”, portanto alguém que deveria ser desprovida do direito de pegar tranquilamente um avião.

A ação em ambos os casos é da mesma natureza. Ninguém corta direitos dos outros, sem primeiro lhes retirar a condição de cidadão igual a todos, portador, portanto, do sagrado direito de ir e vir. A classificação como comunista, golpista, petista, fascista, corrupto, ou, em outra esfera, cracudo, bêbado, vagabundo, gay, sempre antecede a ação castradora de direitos.

As lições da história são muito claras com relação a essa lógica para que sejam esquecidas.

O SISTEMA POLÍTICO FALIU, TEMEMOS O DILÚVIO

A divulgação das delações da Lava jato confirma o que já se imaginava. O sistema político brasileiro baseado em dois blocos de alianças ancorados pelo PT e pelo PSDB faliu. Sistemas políticos em geral se organizam em torno de posição e oposição. No Brasil foi assim desde 1994 onde, com raras dissenções, todo o sistema partidário se organizou à sombra destas duas grandes forças com enorme lastro na sociedade.

PT e PSDB não protagonizaram durante estas duas últimas duas décadas todas as disputas presidenciais e estaduais, com seus sistemas de alianças anexos, apenas por terem votos. Collor também os teve em 1989 e não se consolidou como um dos pilares do sistema. PT e PSDB tiveram esse papel porque representaram interesses e expectativas enraizadas na sociedade brasileira, no meio empresarial, nas classes trabalhadoras organizadas, nos movimentos sociais, na formação da opinião pública. Por essa razão estava implícita a legitimidade do outro, reconhecida pelos vitoriosos e pelos derrotados.

A crise em que estamos, desvendados os métodos de financiamento de campanha com suas operações clandestinas que sempre possibilitaram enriquecimentos dos seus agentes operadores, desmoralizou as principais lideranças dos dois partidos. Lula de um lado e Aécio, Alkmin e Serra do outro, perderam a capacidade de ancorar um sistema político onde derrotados aceitem a legitimidade do vencedor. Mesmo preservando viabilidade eleitoral, coisa que parece mais consistente em Lula segundo as pesquisas, nenhum destes personagens reúne a capacidade de superar a crise de legitimidade, mesmo que eventualmente eleito. Tanto no PT quanto no PSDB não há lideranças alternativas. Falta um nome óbvio ao PT e falta a Dória comprovação de consistência para a tarefa. E não se pode desprezar a perda de legitimidade destes partidos, atingidos tanto quanto suas lideranças de maior expressão

As alternativas à esquerda e à direita não têm lastro social, e aí incluo o meu partido, o PSOL, para reorganizarem em novas bases o sistema político. Certamente aumentarão seu protagonismo, sua influência, mas ainda longe de ocuparem posições no palco principal. Se estivéssemos na segunda metade do século XX, seria o cenário de manual para um golpe militar. No século 21, como sabemos, os golpes são de outra natureza. Está aberta a temporada dos aventureiros vindos de lugares impolutos, vestidos como querubins ou serafins que , assim como Collor, podem ter lastro eleitoral em 2018, mas só prolongarão a crise.

Luis XIV, Rei de França, se tornou celébre por duas frases: “L’Etat c’est mois” (o estado sou eu), adaptado no Brasil para “o Estado é meu”, e “Aprés mois le deluge” (depois de mim o dilúvio).

Preparem os botes.