Arquivo da tag: Rio de Janeiro

SOBRE O DEBATE ENTRE FREIXO E CRIVELLA NA BAND

Acho que Freixo foi bem no debate, mostrou mais consistência programática que Crivella. No entanto, tem alguns problemas.

A frase síntese de Crivella é “vou governar para as pessoas”. A frase síntese de Freixo é “vou governar com as pessoas”. Aqui, Freixo demostra correta preocupação com as aspirações de democracia inclusiva, agenda da modernidade num mundo onde a democracia representativa vive uma enorme crise. No entanto, essa demanda é restrita à “tribo” que já vota ou tende a votar em Freixo. Para a outra “tribo”, onde Crivella prospera, democracia é escolher a cada 4 anos aquele que na administração de parcela do estado vai “fazer por nós”. Um dos problemas desta eleição é que esta segunda tribo é maior que a primeira.

Embora seja correto manter a proposta de ampliar a democracia para além dos momentos eleitorais, não será em 20 dias que esse conceito se tornará hegemônico. Logo, é preciso falar a linguagem capaz de chegar à parcela que espera que o prefeito faça , realize, resolva. Como diz Crivella, que “cuide das pessoas”.

Logo na primeira pergunta sobre qual seria a primeira iniciativa ao tomar posse, Crivella foi direto: “vou resolver a fila das cirurgias na área da saúde”. Freixo disse que iria reunir com os profissionais de educação para discutir com eles como seria a nova escola, inclusiva, capaz de formar cidadãos, com autonomia pedagógica, inserida na comunidade. Ambos falaram para tribos diferentes. O problema é que a tribo do Crivella tem mais índios.

Sem falar para esta parcela do eleitorado , não dá para vencer a eleição.

FREIXO, JANDIRA E O SEGUNDO TURNO

Reta final de primeiro turno, pesquisas apontando que a vaga para enfrentar Crivella provavelmente está entre Pedro Paulo e Freixo e se acirra o debate sobre “unidade da esquerda”, sobre voto útil , etc. Sou dirigente do PSOL e como tal faço questão de reafirmar a legitimidade das 2 candidaturas de partidos da esquerda, Freixo e Jandira, bem como a do Molon que, embora não esteja em um partido de esquerda, ele certamente o é.

Unidade em primeiro turno só se pode fazer em torno de um balanço e de um programa comum. Programa , certamente que com algum esforço, teria sido possível fazer. Mas balanço comum, só com uma boa dose de cinismo poderia ter sido feito. Afinal, PSOL de um lado, e PT/PCdoB de outro, cumpriram e ocuparam espaços diferentes, tanto na política nacional com na politica municipal do Rio de Janeiro nos últimos anos. Varrer isso para debaixo do tapete em nome sabê-se lá do quê seria uma fraude com o eleitor.

Setores do PT e do PCdoB alegam a luta contra o golpe como fator de unidade eleitoral. Poderia ser se isso tivesse resultado em uma política nacional coerente de repúdio aos partidos envolvidos no golpe de 2016 e de frente única pela democracia. Só que em centenas de municípios, PT e PCdoB estão aliados ao PMDB e até ao PSDB e DEM. Vamos convir que isso ou seria política nacional ou não tem consistência.

Compreendo as razões, embora delas discorde, que levaram PT e PCdoB a integraram os governos do PMDB no estado do Rio e na prefeitura da capital. Mas o PSOL discorda dessas razões desde sempre e combateu essa lógica e esses governos durante 8 anos. Obviamente que essas trajetórias distintas resultam em narrativas diferentes que cabem ser disputadas no 1 turno. Vale para o Rio, onde o candidato do PSOL está na frente da candidata do PCdoB/PT, e vale para São Paulo, onde o oposto ocorre. A democracia é incompatível com jogar balanços e diferenças para debaixo do tapete.

Durante 13 anos, nós do PSOL clamamos por unidade das esquerdas em torno de políticas de esquerda. Durante 13 anos o PT/PcdoB, Lula e Dilma, privilegiaram como aliados o PMDB e o centrão em torno de políticas que oscilaram entre o reformismo fraco e a capitulação ao conservadorismo.

Deixemos que o eleitor faça suas escolhas no 1º turno. E se chegarmos ao 2º turno, saibamos conversar sobre programa e alianças. Tenho respeito por Jandira Feghali, embora tenha com ela muitas divergências , principalmente de balanço (e isso é importante para que não se cometam os mesmos erros no futuro). Tenho respeito por Haddad, embora seja muito critico à sua administração. Tenho respeito por inúmeros dirigentes e militantes destes dois partidos (infelizmente não posso dizer todos), com quem espero estar nas mesmas trincheiras no futuro.

Mas nesta conjuntura é Freixo no Rio e Erundina em São Paulo.

Publicado originalmente em 25 de setembro de 2016.